Assistência 24h: 0800-073-5939
73 98833-3831
73 3525-3239

Cuidados com a bolsa de colostomia

Cuidados com a bolsa de colostomia

Aqueles pacientes que passam por uma cirurgia, ou sofrem de doenças inflamatórias no intestino, precisam fazer esse procedimento que, apesar de já ser prático para os médicos e ser de uso temporário, pode trazer alguns desafios para a vida do paciente.
O uso da bolsa de colostomia é mais comum do que as pessoas imaginam, mas como todo aparelho médico, demanda certos cuidados. Para tanto, é preciso ter conhecimento, paciência e empatia.

Para explicar como funciona e quais são os cuidados com a bolsa de colostomia, a Pax Nacional preparou este artigo. Continue lendo e se informe!

Quando a bolsa de colostomia é indicada?

A principal razão para o uso da bolsa de colostomia é a realização da cirurgia de colostomia. Essa cirurgia é indicada para doenças e condições que afetam o sistema digestivo, em especial os órgãos responsáveis pelo trato gastrointestinal inferior. Ou seja, o intestino delgado, intestino grosso, reto e ânus. São elas:

  • Abertura anal bloqueada ou ausente
  • Infecções graves, como diverticulite e inflamação de pequenos sacos no cólon
  • Doença inflamatória intestinal
  • Lesão do cólon ou reto
  • Bloqueio intestinal, seja parcial ou total
  • Câncer de cólon ou retal
  • Feridas ou fístulas no períneo 

O uso da bolsa pode ser permanente ou temporário. O primeiro é indicado para casos incuráveis, como o câncer de reto. Já o temporário, é usado durante o período de cicatrização e descanso de um ferimento em um dos órgãos do sistema.

Como funciona a bolsa de colostomia?

A bolsa de colostomia funciona como um saco de armazenamento para as fezes ou urina. Tirando a função do reto e do ânus e oferecendo um “descanso” aos órgãos.

Para que isso aconteça, é feita uma abertura no cólon (parte longa do intestino grosso) através da parede abdominal. Dessa forma a bolsa de colostomia fica localizada ao lado do abdômen, encaixada com uma trava de segurança na parede abdominal.

Existem diversos tipos de bolsas, com diferentes tamanhos, para adequar ao tamanho da abertura, da idade do paciente e o material mais indicado para a situação.

A região, assim como a bolsa coletora, precisa ser higienizada de acordo com a necessidade. Normalmente, é indicado fazer a limpeza de quatro em quatro horas; irá depender da recomendação do médico.

Quais são os cuidados com a bolsa de colostomia?

Alguns cuidados com a bolsa de colostomia devem ser tomados na hora de fazer a higienização, retirar e recolocar no local.

Para fazer a retirada da bolsa, o movimento deve ser lento e cuidadoso, para não machucar a pele da região. Como muitas bolsas funcionam com cola, uma dica é usar água quente para ajudar a descolar com facilidade.

Ao limpar a pele da região, dê preferência ao sabão neutro e enxágue bem antes de colocar a bolsa novamente. Caso prefira, pode-se usar um pano macio com água morna ou um lenço umedecido, sem álcool.

Para que a bolsa de colostomia cole de forma segura na pele, é preciso secar bem a região. A bolsa nova deve ter o mesmo tamanho da colostomia, então talvez seja necessário cortar um pequeno buraco na bolsa.

O conteúdo da bolsa utilizada deve ser colocado no vaso sanitário e a bolsa deve ser descartada. Existem bolsas reutilizáveis, deve-se seguir as instruções do fabricante, mas caso a bolsa seja descartável, não use mais de uma vez a mesma para evitar risco de desenvolver uma infecção.

Desafios enfrentados pelos pacientes

Hoje, no Brasil, são mais de 120.000 pacientes que utilizam bolsas de colostomia. A cada ano são registrados cerca de 15.000 novos casos.

O nosso Sistema Único de Saúde (o SUS) consegue atender aproximadamente 75% desses pacientes, disponibilizando todo o material necessário. Os outros 25% se utilizam de planos de saúde privados.

O principal desafio enfrentado pelos pacientes que se utilizam de bolsas de colostomia é ter acesso a elas, porque apesar de serem oferecidas pelo SUS, a quantidade ainda é pequena. O ideal, para evitar infecções, é utilizar bolsas descartáveis, o que exige um número alto de bolsas.

Outro desafio é a empatia e o olhar do próximo. Muitos pacientes se sentem desconfortáveis e envergonhados por usar a bolsa. É preciso entender que não é uma opção, é uma necessidade, e que não há nada demais nesse fato. A bolsa de colostomia é uma ferramenta médica, assim como muitas outras que vemos na rua diariamente.

Além disso, o aumento substancial no número de pacientes também destaca a importância de desviar a atenção para aqueles que dependem da cirurgia. Ela também não impede que atividades diárias sejam realizadas.

Convidamos a todos, a partir das informações deste artigo, que tomem a atitude para mudar este cenário e transformar a nossa sociedade em um ambiente mais acolhedor. A Pax Nacional entende essa necessidade, por isso, continuamente trás dicas para uma vida mais saudável aqui no blog.

Não deixe de conferir outros artigos semelhantes!

Esse conteúdo foi interessante para você? Escreva nos comentários o que achou do nosso conteúdo. Assine nossa newsletter e fique por dentro de todos os conteúdos que publicamos!

Cadastre-se para receber novidades

Pax Nacional

Atendimento

Assistência 24h: 0800-073-5939

73 98833-3831

73 3525-3239

falecom@grupopaxnacional.com.br